Os próprios estudantes confirmaram: flores para a Queima é mesmo com a APCC!

A produção de flores para os carros da Queima das Fitas está já a pleno vapor na Quinta da Conraria, mas os utentes do Centro de Atividades Ocupacionais da APCC estão sempre disponíveis para receber convidados especiais. Foi o que aconteceu ontem, com uma visita dos membros da Comissão Organizadora daquele importante evento, que puderam assim ficar a conhecer o processo que leva de uma simples folha de papel a um dos símbolos da maior tradição académica de Coimbra.

Foi ainda uma altura para confirmar que, ao encomendarem as suas flores à APCC – seja por falta de tempo, seja até para ajudar a combater o estigma sobre as pessoas com deficiência – os estudantes da Academia de Coimbra podem confiar num excelente trabalho, feito com muita dedicação e empenho. E ainda houve tempo para que alguns dos comissários da Queima experimentassem eles próprios como tudo acontece.

Desde 2003 que os utentes da APCC fazem flores de papel para os carros do cortejo da Queima das Fitas e este ano não é exceção. A forma de encomendar é muito simples: os estudantes interessados precisam apenas de ligar para os números 239 792 120 ou 239 802 820 (este último está também disponível para informações sobre preços ou outras), até ao dia 21 de abril. As flores poderão depois ser levantadas no Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral (Vale das Flores) ou na Quinta da Conraria (Ceira).

Trata-se de uma parceria benéfica para todos os envolvidos: os estudantes têm uma preciosa ajuda numa altura do ano em que todos os minutos contam e os utentes da APCC são justamente compensados pelo seu esforço, além de realizarem um trabalho com visibilidade pública e alargada.

“Tu fazes a festa, nós fazemos as flores!” é a frase que serve de mote a esta iniciativa, que tem permitido fazer muitos milhares de flores: só no ano passado, foram 37 mil, que ‘desfilaram’ em 13 viaturas.

O Centro de Atividades Ocupacionais da APCC dá resposta às necessidades de pessoas com deficiência e incapacidade com significativas limitações da atividade e restrições na participação. Nesse sentido, assegura apoio técnico e terapêutico, além de dinamizar diversas atividades, tanto dentro da instituição como no exterior. Pode saber mais sobre esta resposta da APCC em www.apc-coimbra.org.pt/?page_id=247.