Utentes da APCC participaram em workshop para ficar a conhecer ‘por dentro’ o bailado “Parte de Coisa Nenhuma”

Experimentar alguns dos métodos utilizados na exploração de movimento que fez parte do processo criativo do bailado inclusivo “Parte de Coisa Nenhuma”. Foi este o objetivo do workshop ontem realizado, no âmbito da passagem do projeto homónimo daquele espetáculo por Coimbra, em que estiveram alguns dos utentes da APCC que integram os grupos de teatro Projeto Estúdio e Sala T.

Guiados pela coreógrafa Diana Seabra e por bailarinos participantes no espetáculo, os utentes da Associação experimentaram exercícios baseados na improvisação e na composição coreográfica e cumpriram diversas tarefas com o propósito de potenciar o desenvolvimento da criatividade e facilitar a expressão pessoal e coletiva.

Tratou-se de uma oportunidade particularmente rica, por ter permitido explorar metodologias da dança inclusiva e da dança contemporânea. E foi também, de alguma forma, um aprofundamento do trabalho realizado regularmente com as professoras de teatro Adriana Campos e Mariana Nunes, que levou já a diversas apresentações em público, em contextos tão variados como espetáculos de palco, performances ou apresentações para o público escolar, por exemplo.

A escala em Coimbra do projeto “Parte de Coisa Nenhuma” – possível com a parceria da APCC e do ITAP – Instituto Técnico e Artístico Profissional de Coimbra – concretiza-se ainda na exibição do filme realizado por Axel Wiczor (que decorreu também ontem), em que é documentada a preparação do bailado, e na apresentação do espetáculo propriamente dito (que terá lugar hoje, a partir das 21H00, no Conservatório de Música de Coimbra).

Este projeto é desenvolvido pela CERCIOEIRAS com a Sublime Dance Company e pretende difundir boas práticas artísticas, bem como proporcionar formação artística e criativa, partilha de experiências e descentralização cultural. É cofinanciado pelo Instituto Nacional de Reabilitação e foi iniciado em 2017.

O desenvolvimento de atividades ligadas ao campo artístico é uma parte fundamental da ação da APCC enquanto instituição que fomenta a inclusão social, concretizando-se em áreas como a expressão dramática, a expressão plástica ou a expressão musical. Pode saber mais na página do Centro de Atividades Ocupacionais.