Há cada vez mais utentes da APCC a saber dropar as ondas do Atlântico

A primeira vez foi em 2017, quando um convite da Associação de Surf da Figueira da Foz permitiu a um grupo de utentes da APCC subir para uma prancha e sentir as emoções de surfar uma onda em pleno mal. No ano passado, o convite repetiu-se e aumentou o número de utentes que passaram a poder dizer que tinham sido Garrett McNamaras por um dia. E na passada sexta-feira, esse número cresceu ainda mais!

Reiterado de novo o desafio, lá foi uma outra vez uma comitiva da Associação até à Praia do Cabedelo, na Figueira da Foz, para mais umas quantas estreias no surf! Cinco estreias, para sermos mais precisos, tantas quantos os utentes que, entre drops, take offs, cutbacks e pumps, viveram uma experiência absolutamente inesquecível, com o apoio indispensável dos instrutores da Surfing Figueira.

A organização destas aulas de surf adaptado, da responsabilidade da Associação de Surf da Figueira da Foz, pretende permitir a pessoas com mobilidade reduzida experimentar pela primeira vez as emoções daquele desporto. Os méritos técnicos de cada um dos alunos dependerá certamente  do talento natural de cada um, mas a boa disposição e a alegria são sempre partilhadas por todos.

A prática desportiva ocupa um importante lugar na atividade da APCC, dadas as suas provadas vantagens a nível motor, cognitivo e social. Instituição pioneira a nível nacional no desporto para pessoas com deficiência, a Associação concilia a vertente competitiva com a de lazer e manutenção. Pode saber mais em www.apc-coimbra.org.pt/?page_id=38.