Boccia

Boccia

O Boccia é uma modalidade que tem na sua origem um jogo da antiga Grécia, que progrediu no Império Romano, e que veio a dar origem a uma vasta gama de jogos, dos quais se destacam o Bowling e a Petanca.
Foi introduzido em Portugal, em 1983, durante um curso organizado pela APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral). No ano seguinte integrou o campeonato nacional para a paralisia cerebral enquanto modalidade de demonstração.
Do lazer, recreação ao mais alto nível de competição, o Boccia é reconhecido pelas entidades oficiais a nível mundial. É modalidade Paralímpica desde 1988.
Desde 1984 que a APCC participa regularmente em competições de âmbito nacional. Destaque para os mais de 30 títulos nacionais, em provas individuais e de equipa.
A APCC tem marcado presença na Selecção Nacional de Boccia através da participação de vários atletas em estágios e em competições internacionais.
António Marques é um atleta que se tem destacado. Conquistou 7 medalhas de ouro, 7 de prata e 6 de bronze a nível internacional. O atleta Bernardo Lopes está aos 19 anos a entrar no circuito internacional, tendo já conquistado  2 medalhas de ouro em torneios.

BOCCIA | O Jogo
O objectivo é colocar as bolas de cor (seis azuis contra seis vermelhas) o mais perto possível de uma bola alvo (bola branca), que é lançada estrategicamente por um primeiro jogador, para dentro do recinto de jogo.
O Boccia é um desporto misto, onde não existe divisão por sexos. Pode ser jogado individualmente, por pares ou por equipas de três jogadores.
Este desporto requer dos jogadores muita concentração, coordenação, controlo muscular, precisão, trabalho de equipa, cooperação e estratégia.

BOCCIA | Classificação
O Boccia como modalidade desportiva destina-se a indivíduos portadores de deficiência motora grave (P.C. ou outra). Os praticantes são divididos nas seguintes classes:
•    BC1 – Tetraplégicos com pouca amplitude de movimento funcional e pouca força funcional em todas as extremidades e tronco. Dependem de um acompanhante para ajustar ou estabilizar a cadeira, assim como para lhe dar a bola.
•    BC2 – Tetraplégicos com pouca força funcional em todas as extremidades e tronco, mas com capacidade para propulsionar a cadeira de rodas.
•    BC3 – Indivíduos com muitas dificuldades na preensão da bola e sem força funcional para fazer um lançamento para dentro de campo, motivo pelo qual são utilizadas calhas. Nesta classe estão incluídos outros tipos de deficiências com as mesmas características funcionais.
•    BC4 – Indivíduos portadores de deficiência motora com limite funcional superior idêntico à BC2.