Hidroterapia/Psicomotricidade

Hidroterapia

Princípio: reunir condições para que o trabalho se centre no cliente e nos respectivos objectivos terapêuticos e/ou reabilitativos.

 

ÁGUA | FACILITADOR DA ESTIMULAÇÃO PSICOMOTORA

A água rodeia o corpo. Ela massaja e acaricia. Numa abordagem psicomotora, o envolvimento pela água estabelece o designado espaço intermediário de jogo. Esta zona constitui a parte mais importante da experiência com as crianças portadoras de Paralisia Cerebral. Nela, vivem-se dois tipos de experiências:

–          a das sensações do próprio corpo;

–          a da percepção do que rodeia a criança e, particularmente, dos movimentos do outro.

Na hidroterapia, o psicomotricista começa por dar importância ao desenvolvimento relacionado com o corpo e aos seus fundamentos. Trabalha insistindo nas relações entre a construção da identidade corporal e a vida psíquica.

 

PARA O PSICOMOTRICISTA…

A atenção direcciona-se para as capacidades da criança em descobrir um novo espaço, em experimentar, explorar e investir na sua motricidade. Acompanha a criança nas suas diferenças, nos seus desejos, nas suas explorações. A idade e o desenvolvimento psicomotor da criança são referências fundamentais.

 

O que permite a água?

  • Acompanhamento do movimento = prolongamento do movimento.
  • Liberdade de expressão.
  • Massajem e carícia.
  • Sensação de leveza.
  • Sensações limites do corpo no confronto com a resistência da água, em contrapartida com a sensação de levitação e as sensações de perda dos limites corporais.
  • Imersão que leva a uma modificação das referências neurológicas, uma vez que as solicitações são diferentes das do meio aéreo.
  • Quando o sujeito não tem pé, as suas referências vestibulares vão sobrepor-se às referências habituais (articulares, musculares).

Voltar