Centro de Reabilitação

Muito amor no Mercadinho do Centro de Reabilitação…

Não é que o Mercadinho do Centro de Reabilitação da APCC seja um caso de amor, mas lá que exige muita cumplicidade… É que junta os esforços de vários serviços da APCC – nomeadamente, do Gabinete de Voluntariado, da Quinta Pedagógica e da Quinta Biológica – para, semanalmente, levar os melhores produtos da Quinta da Conraria até às mãos (e, depois, às casas) dos colaboradores que trabalham no Vale das Flores.

Mas na passada quinta-feira, foi mesmo de amor que se tratou, porque também o Lar Integrado se juntou a esta dinâmica para realizar uma espécie de edição especial de Dia dos Namorados, a que se chamou – apropriadamente! – Mercadinho do Amor. E assim, além dos habituais produtos vendidos nesta iniciativa (como o arroz doce, as bolachas, os vegetais e as frutas) houve ainda muitos outros, produzidos pelos utentes daquela unidade residencial da Associação.

Muito...

Ler mais

Já chegaram as primeiras críticas e dizem que a reabertura do restaurante da Ludoteca da APCC é um sucesso!

Quando a Ludoteca da APCC reabriu o seu restaurante inspirado pelo filme “Ratatui”, percebemos logo pelas primeiras reservas que as expetativas eram altas: os maiores críticos não queriam perder a oportunidade de conhecer (ou revisitar) este verdadeiro ex-libris da melhor comida… ou, pelo menos, da melhor comida feita de feltro, tecidos coloridos e muita imaginação que se pode encontrar!

E quem são os maiores críticos? As crianças, pois claro! Como as do grupo da Escola Básica do 1º Ciclo da Solum, que ontem estiveram na linha da frente do regresso da dinâmica “Ratatui à parte… hoje o Chef sou eu!”, enchendo o espaço de deliciosas brincadeiras, entre uma pizza cozinhada em forno de lenha, um bife grelhado ou umas cenouras cozidas – devidamente temperados com mais uma ‘viagem’ no escorrega – tudo sob o olhar divertido do Remy, do Linguini e, claro, do nosso Dragão Brincalhão!

Quem ...

Ler mais

Pequenos comilões, atenção! A Ludoteca da APCC já reabriu para escolas e jardins de infância!

Foi um dos restaurantes da moda no ano passado: desde que abriu com a dinâmica “Ratatui à parte… hoje o Chef sou eu!”, a Ludoteca da APCC fez as delícias de centenas de crianças – mais e menos gulosas! E para quem não foi a tempo de arranjar vaga, ou quem gostou tanto que quer repetir a experiência, temos boas notícias: reabrimos as portas para grupos de jardins de infância e escolas básicas!

É uma nova oportunidade para acompanhar o Remy, o pequeno chef do filme “Ratatui”, numa autêntica viagem gastronómica, em que os mais pequenos poderão provar que é mesmo chef quem quer… sobretudo quando os ingredientes são de feltro e só precisam de ser ‘polvilhados’ com imaginação! Vai (voltar a) ser uma grande e divertida aventura, sempre acompanhada pelas fantásticas contadoras de histórias da Ludoteca “O Dragão Brincalhão”!

Os ja...

Ler mais

Já é uma tradição: voltou a haver postais de Natal com história(s) trocados no Centro de Reabilitação

São postais que vêm de longe, no espaço e no tempo: em 2016, a voluntária alemã Katharina Bux teve a ideia de criar uma série de postais com inspiração natalícia, para que os colaboradores do Centro de Reabilitação de Paralisia Cerebral os usassem para trocar entre si mensagens de Natal. E assim nasceu uma ‘tradição’ na APCC!

Apesar de a Katharina já ter há muito regressado a casa, todos os anos continuam a chegar-nos postais que dizem ‘Boas Festas’ e ‘Feliz Natal’, mas também outras palavras que não estão escritas neles: amor, amizade, família. E assim, com uma ajuda do Gabinete de Voluntariado, muitos postais continuam a ‘voar’ nesta quadra pelos corredores da Associação e a ir parar a mãos que se alegram por recebe-los.

Ler mais

“Sinto Flores…”: já pode ver e comprar a nova coleção de desenhos do Departamento de Expressão Plástica

«Primeiro há o traço descontrolado dos lápis, as cores são misturadas com todos os músculos do corpo, exercício árduo de luz e exaltação. Aprofunda-se o olhar para o esboço das flores, pétala a pétala, sépalas abertas em verde orvalhado, pólen em pó, sombras com contornos de sol e de mel.

A partir do vazio, as formas se formam para dar mais espaço à realidade. Este é a marca predominante onde se evidência a singularidade de cada trabalho. As assinaturas são bem explícitas, seja pelo braço retorcido, pelo pescoço mais alongado, pela concentração que salta de esquecimento em esquecimento sem nunca se pôr em fuga, pelo pé que aperta a noite entre os dedos, pela dor levada em ombros sem se deixar vencer, pelo esforço que inventa a força, pela plenitude que se concretiza e se faz alma, inspiração e fundamento».

Ler mais